terça-feira, 31 de Maio de 2011

O CO2 e o lobo

Um leitor enviou-me um link para mais uma daquelas notícias que se espalham à velocidade da luz. É do Público, relata que as emissões mundiais de CO2 atingiram um valor histórico em 2010, mas está em muitos mais locais, bem como na fonte original. Como os comentários aí, e noutros locais relatam, o pessoal está cheio de ouvir gritar Lobo!, pelo que já ninguém liga... Mesmo a oportunistas como o Filipe Duarte Santos, para o qual o limite de segurança climática "está a tornar-se utopia".

Como compreender estes tretas? Bem, tendo em conta a natureza da press-release, bem menos elaborada que outros documentos que temos tido oportunidade de analisar da mesma IEA, resulta imediatamente que esta é uma resposta rápida à fuga dos Estados Unidos, Rússia, Japão e Canadá, ao protocolo de Kyoto... Aliás, o gráfico actualizado dos níveis de CO2, primeiro abaixo, não revela nenhuma alteração de tendência.

Por mim, até vale a pena chegar rapidamente ao limite que eles tanto temem. Porque, com o clima da Terra a arrefecer, será muito mais rápido o ridículo! Como se pode ver no segundo gráfico abaixo, enquanto o CO2 tem vindo a subir, as temperaturas tem vindo a baixar??? E, esperemos que não tenhamos a mesma sorte o mesmo azar que os Vikings, conforme um estudo muito recente volta a evidenciar...

segunda-feira, 30 de Maio de 2011

+ Pegada de carbono do PS

Não há pachorra para os truques baixos do PS. Via A aba de Heisenberg ficamos a perceber como é possível encolher um pavilhão, na presença do nosso mentiroso-mor! E lá se vai intensificando exponencialmente a pegada de carbono destes xuxalistas, prescidindo-se das bancadas originais, transportando-se outras, de um lado para o outro! Assim ficam todos mais aconchegadinhos. E enganam-se os jornalistas, conforme se pode ver no resumo no link acima, como os do Público, para os quais o "pavilhão ... estava lotado de apoiantes". Pessoalmente, atingi a tolerância zero para com esta pandilha, que nos anda a enganar, mentir, aldrabar, e a hipotecar o nosso futuro! Vejam por vocês, no vídeo abaixo!

domingo, 29 de Maio de 2011

Burocracia

Ao ver o vídeo abaixo, via The Reference Frame, não pude deixar de me lembrar de alguns posts passados, como este e sobretudo deste, donde recomendo a leitura prévia da Carta do Zé Agricultor para Luiz da Cidade, aí referenciado. Releiam primeiro a carta, e vejam como Zé e a loirita até são diferentes, mas vivem na mesma Sociedade...

sábado, 28 de Maio de 2011

Alguém anda irritado...

As notícias do ambientalismo da treta irritam-me e tiram-me frequentemente do sério. Mas não sou o único! Os meus leitores habituais também o sentirão... Mas parece que quem mais sofre recentemente é o Henrique Pereira dos Santos, a cujo estado já nos referimos repetidamente! Mas, agora confessa que está mesmo irritado, e que o tiraram do sério... Por causa de uma notícia da secção da Ecosfera, esse canto escuro e hipócrito do Público, que refere a morte de mais de 150 golfinhos no Golfo do México, desde o início do ano. Verifiquemos como a irritação de HPS é genuína:

O título da notícia é "Mais de 150 golfinhos morreram este ano por causa da maré negra no Golfo do México". É um título claro que diz que mais de 150 golfinhos morreram por causa da maré negra.

A notícia começa logo a desmentir o título no primeiro parágrafo: "Os mais de 150 golfinhos encontrados mortos no Golfo do Mexido desde o início do ano, número anormalmente elevado". Ou seja, pelos vistos todos os anos há golfinhos mortos, mas os números deste ano são anormalmente elevados. Quanto? Não sabemos, a notícia é omissa nesse ponto, só ficamos a saber que não é verdade que tenham morrido mais de 150 golfinhos por causa da maré negra, o que é verdade é que morrerram mais de 150, menos o habitual que não se diz quanto é, por causa da maré negra.
“O petróleo e os dispersantes afectaram a cadeia alimentar. Isso poderá ter impedido as mães golfinhos de se alimentarem de maneira adequada e assim desenvolver a camada de gordura necessária”. Pode? Então não era "morreram ... por causa da maré negra"?

Mas o que me tirou do sério foi o grande final:

"De acordo com Worthy, as temperaturas anormalmente baixas deste Inverno, conjugadas com as consequências da maré negra no organismo destes mamíferos levaram ao “desastre do século”, a morte de muitos golfinhos".

Como disse? Temperaturas anormalmente baixas no Inverno? Mas afinal não tinha sido a maré negra? Ou seja, talvez a cadeia alimentar esteja contaminada, talvez esta contamização tenha diminuído a camada de gordura e de certeza que as temperaturas foram anormalmente baixas, portanto conclui-se no título da notícia que a maré negra matou mais de 150 golfinhos.

Está bem, abelha.

Mas HPS ficaria ainda mais farto e irritado se tivesse feito uma investigaçãozinha de 10 minutos, como eu fiz... Então, na press-release da Universidade da Flórida, a justificação original é:

The cold was a very unusual circumstance, but one which dolphins can normally survive, but we may also be seeing an indirect effect stemming from the BP oil spill.

Conseguem ver como a declaração original já vai muito deturpada? É claro que não sabemos por quantas fontes intermédias passou a notícia até chegar ao Público... A pista do frio é clara, mas a investigação que a refere apenas é encontrada nos Media locais, porque a nível global, a censura Verde impera, como o demonstra o acto da administração de Obama, que proibiu os cientistas de falar sobre estas mortes? Mas a coisa pode ainda piorar, como na lei de Murphy. Então, não é que três dos golfinhos mortos este ano, foram mortos pelos próprios investigadores da NOAA? E que a vida marinha floresceu depois do acidente do Deep Water Horizon, porque a pesca foi proibida... É claro que não é preciso ser cientista para perceber porquê! Mas é preciso perceber os golfinhos, para perceber que eles não são santos... O Santos vai ficar ainda mais irritado quando souber disto tudo!

sexta-feira, 27 de Maio de 2011

Gás shale

A curiosidade à volta do gás shale (xisto) é cada vez maior, como o confirmam as duas páginas que o Expresso dedicou ao tema (imagem abaixo), no passado fim de semana. Já antes tinha observado que isto era o futuro, dados os cálculos de gás para até 250 anos! Agora, detectei um autêntico tratado sobre a matéria, elaborado pela The Global Warming Policy Foundation.

O documento é muito equilibrado, abordando os temas mais inconvenientes do gás de xisto, sobretudo as preocupações ambientais associadas à sua produção, que não devem ser negligenciadas. Dá uma perspectiva também sobre a Europa, embora o mapa ao lado tenha sido retirado deste link. Aí é fácil perceber que poderemos ter algo a ganhar com isto do gás de xisto.

A mesma fundação tem um outro artigo muito recente, que deve ser lido rapidamente pelos pequenos accionistas da EDP Renováveis, pois parece que a energia eólica dos Estados Unidos já era...

quinta-feira, 26 de Maio de 2011

Limite: Dois graus?

O Professor Luiz Carlos Molion elaborou mais um artigo muito interessante. Intitulado "Limite: Dois Graus?", e que reproduzimos abaixo, merece uma atenção especial, sobretudo na analogia que utiliza, e que achei muito interessante, do CO2 dos refrigerantes. A sua referência ao sucesso civilizacional ao longo da História é igualmente uma visão da qual partilho, e que já é familiar dos leitores assíduos do Ecotretas:

"Temos que controlar as emissões de carbono para manter a temperatura do planeta abaixo de 2°C", é a voz corrente, frase dita até pelo Presidente Lula e por muita gente preocupada com o aquecimento global, gente essa que não sabe de onde tal frase surgiu. Sob o ponto de vista da Física do Clima, essa afirmação é absolutamente ridícula! O IPCC criou uma fórmula com base no "ajuste" ("fitting") à curva de crescimento do CO2. A fórmula é

DelF = 5,35 ln (C/Co)   Eq. [1]

onde Del F é a variação da forçante devido ao CO2 (baseada no que se crê que se sabe sobre absorção de radiação infravermelha pelo CO2), dada em W/m2; Co = 280 ppm, é a concentração de CO2 que, assume-se, tenha sido a pré-industrial; ln = logaritmo natural e C= concentração de CO2 futura. A variação de temperatura correspondente (Del T) seria dada por

Del T = const. Del F   Eq. [2]

onde a "constante" seria o parâmetro de sensibilidade climática que, para o IPCC, é const=0,75°C/W/m2, um valor muito alto! Ou seja, para cada 1 W/m2 de radiação infravermelha à superfície, provocada pelo CO2 adicional, a temperatura média global do planeta aumentaria de 0,75°C. Então, basta inverter as contas, adotar o valor de 2°C na Eq. [2], e calcular Del F = 2,656 W/m2 . Entra-se com esse valor na Eq. [1] e obtém-se a nova concentração de CO2, ou seja, C=460 ppm, um aumento de 65%, com relação ao valor pré-industrial (???) e que seria a "concentração limite, o objetivo a ser alcançado" . Como se o clima do planeta fosse tão simples quanto isso, controlado apenas pela concentração de CO2. A concentração de CO2 na atmosfera é controlada basicamente pelos oceanos (Lei de Henry) e depende da temperatura da água. Se essa aumenta, os oceanos emitem mais CO2 para a atmosfera. Esse é o mesmo processo que controla a concentração do CO2 num refrigerante. Se a temperatura do liquido aumenta, ele expulsa o CO2 que está dissolvido e “fica sem gás”. A contribuição humana , 6 bilhões de toneladas de carbono por ano (GtC/a), é muito pequena, desprezível, em face dos fluxos naturais que somam 200GtC/a, ou seja, apenas 3%, contra uma incerteza nos fluxos de 20%!

Quanto mais leio e estudo, mais me convenço que o problema é exclusivamente financeiro-economico e não climático. Não há “crise climática”. É um problema de segurança energética dos países industrializados que já não possuem uma matriz energética própria e dependem da importação, como é o caso da Inglaterra, país de onde provêm a maior parte do terrorismo climático e manipulação de dados. Certamente, o maior problema que a humanidade vai enfrentar num futuro próximo é o aumento populacional, amplificado pelo resfriamento global nos próximos 20 anos. A História mostra que, toda vez que o clima se aqueceu, as civilizações, como Amoritas, Babilônios, Sumérios, Egípcios e Romanos, progrediram. O resfriamento do clima, ao contrário, sempre causou desaparecimento ou retrocesso. Atualmente, um resfriamento global, com geadas severas, tanto antecipadas quanto tardias, seria muito ruim para a agricultura, pois acarretaria frustrações de safras e desabastecimento mundial com a população crescente. O Brasil não seria exceção. No último resfriamento, 1947-1976, o cultivo do café foi erradicado do oeste do Paraná em face das frequentes e severas geadas. É indispensável que o país se prepare para esse período ligeiramente mais frio, de 2010 a 2030.

quarta-feira, 25 de Maio de 2011

Micronesia sea level

A year and a half ago, Tuvalu was complaining. Now, it's Micronesia. They are starting a lawsuit against a Czech coal power plant, in Prunéřov. Greenpeace has gotten involved, and in there own words:

The landmark legal paper, written by FSM, Greenpeace and the Environmental Law Service, and presented today at the Threatened Island Nations Climate Conference in New York’s Columbia University, offers hope to vulnerable countries on the frontline of climate impacts. FSM is one of many nation states experiencing environmental disasters, such as flooding, tidal surges and destruction of food crops, which are already exacerbated by climate change.

So, lets see what is happening to Micronesia's sea level. As usual, we start in nearby Hawaii, in their GLOSS database, at the University of Hawaii Sea Level Center. The fastest way is to check the monthly graphs for Pohnpei, Yap and Kapingamarangi, displayed below:


Looks like sea level is going up in Pohnpei and Kapingamarangi, but not in Yap. Why might that be? Checking the data and graph in detail, one sees that Yap has all the recent data, but Pohnpei and Kapingamarangi lack data, especially Kapingamarangi, which doesn't show the decline in 2010. Careful analysis of the graphs show that the highest levels in recent years have similar values in the 80s and 90s...

But more data is being concealed. If one grabs the daily data for Yap, and plots all those daily measurements into a graph, you'll get the one below:


There is data since 1969! While there seems to be a growing trend since the beginning of the nineties, the truth is that the highest values since mid-2002 are lower than the higher values in the mid seventies, and lower than several peaks in 1984, 1998, 1999, 2000, 2001 and 2002. The lowest value in 2010 is lower than any value from 1969 till 1980!

terça-feira, 24 de Maio de 2011

Escherichia coli e a agricultura orgânica

Na Alemanha, país onde o movimento Verde tem ganho notória dimensão, o futuro está ensombrado por nuvens muito negras. Depois de no fim de semana ter dado conta dos problemas de botulismo que grassam no suposto paraíso Verde, agora, também via NoTricksZone, descobrimos que a nova praga é a de Escherichia coli (E-coli).

A E-coli é uma bactéria muito frequente nas fezes, pelo que a sua presença em água ou alimentos é indicativa de contaminação. A quantidade de bactérias E-coli na água é um dos principais indicadores utilizados para verificar a qualidade da água que consumimos. Por isso, com duas mortes, e centenas de infectados, os alemães estão em pânico. E a principal fonte parece ser a agricultura orgânica, aquela que supostamente é muito melhor que a outra... E da qual os Alemães tanto gostam!

Actualização: Numa combinação surpreendente, descobri que num dos episódios do CSI Miami, a Escherichia coli e Clostridium botulinum são as culpadas da fita...
Actualização II: Dois leitores mandaram-me links que confirmam a pista da agricultura biológica: 1, 2, 3

segunda-feira, 23 de Maio de 2011

Pegada de carbono da campanha do PS

Soube-se este fim de semana que as poucas pessoas que afinal se juntam para ouvir o Sócrates, têm uma pegada de carbono descomunal! Recrutados no Martim Moniz, e nos arredores de Lisboa, são enfiados nos autocarros, a troco de uns lanches, e enviados para os mais diversos comícios, para comporem o ambiente... Como o diz Carlos Botelho, no Cachimbo de Magritte, Sócrates é, realmente, uma personagem politicamente repugnante. Mais valia pegar nos poucos eleitores dispostos a votar Sócrates, e trazê-los até Lisboa. A pegada de carbono seria assim menor, e Sócrates não teria que andar a acelerar pelo país...

domingo, 22 de Maio de 2011

Botulismo verde

Via NoTricksZone, damo-nos conta de mais uma Verdade Inconveniente, que anda a ser escondida pelos ecologistas e defensores da Economia Verde. Então, não é que a produção de biogás, esse gás verde, está a contaminar os campos dos Alemães, matando milhares de cabeças de gado, e já infectando humanos?

O problema chama-se botulismo. É causado por uma toxina produzida pela bactéria Clostridium botulinum, a qual prolifera em ambientes anaeróbicos, como são os digestores de biogás. Os restos dessas centrais são muitas vezes utilizados como fertilizante, devolvendo assim à Terra grandes quantidades destas bacteriazinhas... Só para terem uma ideia, esta toxina natural é a mais potente que se conhece, bastando 160g para aniquilar toda a população humana da Terra. Por isso, as implicações ao nível do terrorismo até já foram estudadas, sendo igualmente bem conhecida como a base do Botox.

A questão põe-se agora novamente na Alemanha, em função da aposta nestes tipos de energia, em detrimento do nuclear. A revista Wild und Hund equaciona porque é que um problema que aparentemente é conhecido há 10 anos, ainda não foi discutido publicamente. Neste momento, na Alemanha, um milhão de hectares de cultivo de milho é utilizado para a produção de biogás, o que para além do problema da subida do preço dos alimentos, sabemos agora contribuir para outros males! E os alemães querem cultivar até 6 milhões de hectares...

Na investigação efectuada pela revista, só em Vogtland, na Saxónia, 600 vacas, e o próprio dono da exploração, estão infectados de botulismo crónico. Segundo o professor Helge Böhnel, da Universidade de Göttingen, a quantidade de animais infectados é pelo menos uma ordem de grandeza maior, e pode infectar outros mamíferos e aves. Já há também relatos em animais domésticos... Entretanto, as vaquinhas vão passando pelos talhos!

Como acontece isto? Na colheita dos ingredientes das centrais de biogás, animais geralmente de pequeno porte acabam sendo incluídos, juntamente com os vegetais. Outros produtos de carne, como galinhas, bem como estrumes, são também adicionados. A uma temperatura de 40ºC, as bactérias reproduzem-se freneticamente, levando à produção, neste caso, de esporos muito resistentes, da nossa Clostridium botulinum... Estes esporos sobrevivem facilmente a um processo de higienização, que é efectuado apenas a 70ºC. Este resto é depois utilizado como fertilizante da agricultura... Mais cedo ou mais tarde voltam à alimentação dos animais/humanos. Quando ingeridos, os esporos transformam-se na bactéria, que produz a toxina que provoca o botulismo!

Entretanto, para quem dominar o Alemão, no primeiro vídeo abaixo, dum canal alemão, podem ver uma reportagem de vacas com botulismo. Aliás, não é preciso perceber alemão, basta ver as imagens... O segundo vídeo mostra também o desespero de vários criadores, afectados pelo mesmo problema, sem que ninguém os acudisse. Até porque o botulismo não é uma doença da pecuária reconhecida na Alemanha...

Cá pelo burgo, entre 2000 e 2008 foram declarados 83 casos, havendo na literatura científica análises específicas de alguns casos, incluindo um pela própria pessoa. A promoção do biogás existe em vários documentos oficiais, e até em experiências relatadas. Repare-se que aqui não estão em causa as centrais de biogás em si, mas o retorno dos resíduos ao Ambiente, sobre a forma de fertilizantes, das quais até a nossa Quercuszinha é defensora...



sábado, 21 de Maio de 2011

Gás Natural do Algarve

Depois de uma mensagem do leitor, que se manifestava surpreendido pela referência que fiz ao gás natural ao largo do Algarve, é que me dei conta de que ainda não tinha abordado esta questão no Ecotretas. A notícia não é nova, e conta-se em poucas linhas.

Em 2002, a Repsol ganhou um concurso internacional para exploração do gás natural ao largo do Algarve. O mesmo concurso foi interrompido em 2003 por decisão do ex-ministro da Economia Carlos Tavares. Em 2006, Manuel Pinho prometeu assinar o contrato, mas nada. Pelo meio, os defensores do Turismo ficaram preocupados, mas incapazes de perceberem que a exploração de gás natural não causa derrames de petróleo...

As reservas de gás estão a cerca de 40 quilómetros da costa algarvia. Há aí reservas estimadas que cobririam o consumo total de Portugal durante 15 anos! Segundo António Costa da Silva, administrador da Partex, o gás natural do Algarve pouparia ao país entre 1400 e 1500 milhões de euros por ano", o que equivale a cerca de 3 submarinos, por ano!

Mas, pior é o facto de os espanhóis estarem a tirar partido deste gás desde 1976, nomeadamente ao largo de Huelva, na plataforma Poseidón, a 30 Km da costa. A plataforma, visível acima, tem todavia uma capacidade de produção reduzida, estimando-se que a capacidade ao largo do Algarve seja cerca de 20 vezes superior às reservas encontradas no golfo de Cádiz. Não é impossível que algum do nosso gás esteja aí a ser extraído... Enquanto isso, eles vão descobrindo novos tesouros debaixo do mar...

quinta-feira, 19 de Maio de 2011

Eu também tenho um problema com o Sócrates!

O animal feroz, José Sócrates, foi encostado a um canto, por um empresário, numa conferência hoje do Diário Económico... José Sócrates disse que não gostou e ficou irritado! Pudera, pois um mentiroso compulsivo não gosta de ouvir, de forma tão clara, o desgoverno a que levou o País. Ele ainda falou das reformas, com a da Energia em segundo lugar, ao minuto 2:50, voltando a insistir ao minuto 4:50... Mas não perceberá ele que isso tem estado a afundar o País, nomeadamente na vertente da competitividade, como justamente invocou o empresário? Por entre mais uma série de barbaridades, nomeadamente a da crise internacional, das quais já quase todos sairam, e dos quais vamos ser o ÚNICO PAÍS DO MUNDO em recessão em 2012???

Não sei quem é o empresário, mas merece uma medalha, já! Também eu lhe digo, José Sócrates: O que vai mudar na sua política para voltar a fortalecer a competitividade do nosso País?

Actualização: O herói chama-se Peter Villax, e é presidente da Associação das Empresas Familiares e vice-presidente da Hovione.

Gronelândia adora Aquecimento Global!

A Gronelândia é dos meus locais favoritos. Na sequência da reunião do Conselho do Árctico, que ocorreu em Nuuk, destaque para as referências à fuligem, que deverão explicar melhor o derretimento dos gelos polares, bem mais que o explicado pelo dióxido de carbono...

Mas o que mais me impressionou num dos artigos que li, foi saber que o que os habitantes da Gronelândia querem, é ter mais Aquecimento! E porquê? Porque podem fazer coisas que já não se fazem desde os tempos dos Vikings, com mais algumas modernices:
  • Nunca Nuuk teve tantos turistas...
  • Muitos mais cruzeiros...
  • Muito mais bacalhau para pescar!
  • Começou o cultivo de vegetais, antes impossível
  • A quantidade de caribus aumentou exponencialmente, graças à maior quantidade de pastagens; são tantos, que tiveram que ser levantadas restrições à sua caça, para gaúdio dos locais!

quarta-feira, 18 de Maio de 2011

Domingo foi para estar na praia

Com esta chuvinha a cair, resolvi ir dar uma vista de olhos como anda a gestão da produção de energia em Portugal. O feeling advém das barbaridades que tenho vindo a observar no passado, e ele confirmou-se!

O exemplo mais marcante dos últimos dias é o do Domingo passado, dia 15 de Maio. Conforme se pode observar na primeira imagem, durante uma parte importante do dia, especialmente a madrugada e início da manhã, verificou-se uma grande quantidade de produção de energia pelas PRE, e destas essencialmente via eólicas. Entretanto, durante o dia, verificou-se uma grande quantidade de importações, tendo havido uma pequena quantidade de exportacões ao final da madrugada, e ao início da noite. Finalmente, especialmente durante a madrugada, mas também até às 19h, andou-se a bombar água para as barragens.

Na segunda imagem, podemos ver os preços praticados no OMEL. Destaca-se logo o preço de praticamente ZERO ao final da madrugada (atenção à hora espanhola...), pelo que mais uma vez a nossa capacidade exportadora faz-se à custa de borlas para o estrangeiro! E quando começou a importação, toca a pagar muito mais! E que dizer de andar a importar essa energia durante o dia, para a utilizar em bombagem? Francamente, a única explicação que me ocorre é que ao Domingo ninguém estivesse a olhar para isto, e tivesse ido prá praia...


terça-feira, 17 de Maio de 2011

CDS/PP e a energia

Depois de ter analisado aqui o desprograma do PS, e a grande surpresa que constituiu a política energética do PSD, resolvi dar uma vista de olhos ao outro programa que pode verdadeiramente interessar a este país: o programa manifesto do CDS-PP.

Fiquei MUITO desiludido. Generalidades, sem concretizar. Pior, mais do mesmo do PS! Veja-se o seguinte exemplo. De que estarão eles a falar, quanto à energia do mar? De eólicas off-shore? Da energia das ondas do mar?

24. Apostar na inovação e investigação sobre o mar
O CDS quer que Portugal lance as bases que promovam o desenvolvimento de projectos de investigação, tanto no que respeita à energia como à química e à biologia, de modo a que o nosso país se torne num parceiro activo, a nível internacional, e colocando‐nos como principais candidatos a beneficiar dos rendimentos originados por estas novas áreas de desenvolvimento.

E depois, que dizer do ponto 43? Só generalidades! Quase acabavam bem, mas proceder a uma avaliação??? Isso só quer dizer que não têm ideias claras; é do género: logo se vê!

43. Energia: Aumentar a Concorrência e preservar a soberania
O CDS acredita que a participação da iniciativa privada nos mercados da Energia tem de ser aprofundada. Nesta matéria tem de haver uma separação rigorosa entre as operações de comercialização e produção, nas quais a presença de privados e o aumento de concorrência são desejáveis, das operações de transporte – ligadas a redes físicas – em que tem de haver um cuidado extremo uma vez que se trata de monopólios naturais. Por isso, é vital assegurar aqui (e no caso de privatização da REN) que o interesse nacional é acautelado e que a qualidade e segurança do serviço em todo o território nacional não são postas em causa.
Para além destes cuidados, o CDS promoverá a criação de mecanismos contratuais e regulatórios – em consonância com o MIBEL e MIBGAS – que garantam a segurança do abastecimento, as interligações transfronteiriças, a qualidade do serviço e o acesso equitativo às redes por todos os concorrentes, bem como uma ERSE com mais poderes.
É necessário proceder a uma avaliação do peso das renováveis e de decisões e actos políticos na factura eléctrica, até em função da situação recessiva que vivemos.

E que dizer do Ambiente? Vejam o ponto seguinte. Leiam com atenção, e vejam se percebem:

44. Rever a orgânica e os instrumentos para uma política ambiental sustentável
É penoso constatar que, em matéria de políticas ambientais, dos compromissos eleitoralistas do PS e de algumas boas intenções, muito pouco foi concretizado. A gestão do ambiente e do ordenamento do território implica, por um lado, responsabilidade inter‐geracional e, por outro, a noção de que cabe aos governos definir o caminho no sentido de uma economia mais sustentável com menor pressão sobre o capital natural e mais eficiente na utilização dos recursos.
Nesse sentido, o CDS propõe que sejam adequadas e repensadas as estruturas e a orgânica de tutela do sector, que seja reavaliada a eficácia e a actualidade dos instrumentos de política ambiental, de modo a garantir o desejado nível de protecção e valorização dos recursos ambientais, com o pressuposto de que a sua correcta gestão passa por internalizar esses recursos nos critérios de decisão e actividades económicas necessários e relevantes para o desenvolvimento nacional.

Eu não percebi nada!

Dos três programas, parece que só o do PSD tem pernas para andar, nos domínios abordados aqui no Ecotretas. Vou analisar mais profundamente...

segunda-feira, 16 de Maio de 2011

Degolando a veia jugular

Não admira que o blog Jugular venha em defesa da aposta nas energias renováveis e eficiência energética. Queixam-se das críticas do PSD, e de muitos, que olham para o absurdo dos custos da energia em Portugal. Obviamente, o cronista Tiago Julião Neves tem muito a perder com uma mudança de estratégia neste domínio. E toca a papaguear a ladainha, antes que a religião acabe...

Começa pelos empregos da Economia Verde. Já aqui nos referimos repetidamente à temática, mas Pinto de Sá, no seu blog A ciência não é neutra, deu uma resposta fundamentada, malhando nos valores empolados pelos lacaios do PS.

Curiosamente, o tretas Tiago elogia a tecnologia da Strix, a qual ontem demonstrei que é uma tecnologia avançada, cujos processadores são ornitólogos... E, depois, elogia o Reino Unido... Eu acho que vou rezar por eles... Felizmente, eles por lá já sabem o que aconteceu em Portugal, sendo que a notícia anterior do Telegraph já trouxe umas centenas de visitantes ao ecotretas...

Devagarinho, mas depressa, vai-se degolando estas veias destes papagaios...

domingo, 15 de Maio de 2011

Radares humanos e morcegos

Um leitor habitual fez-me chegar dois artigos da revista Água&Ambiente deste mês. O primeiro, intitulado, Tecnologia portuguesa pôs fim à mortalidade de aves, dá conta das supostas vantagens de um solução implementada no parque de Barão de São João, ao qual já nos havíamos referido aqui. A suposta tecnologia nacional não sei onde começa, porque o artigo refere que os radares vem do estrangeiro. Mesmo a suposta tecnologia não deve valer um caracol, pois o artigo refere (realces da minha responsabilidade):

Ou seja, durante os meses de presença de aves migratórias, estão também presentes nove ornitólogos da Strix em postos de observação, que determinam o risco real de haver uma colisão. No fundo, são estes colaboradores que dão a ordem final de paragem dos aerogeradores ao centro de controlo de E.ON.

O segundo artigo refere a problemática da morte de morcegos em parques eólicos, que também já aqui abordamos. O artigo é interessante porque aborda uma estatística pouco conhecida, e que refere que o ICNB, em Agosto de 2010, havia confirmado a morte de 363 morcegos, de 11 espécies diferentes, desde 2001. Informação que não está aparentemente disponível em lado nenhum, dado ser mais uma verdade inconveniente!

sábado, 14 de Maio de 2011

Novos ambientalistas

Confesso que sou um herege do ambientalismo. Dantes aceitava essa farsa, mas no dia da ante-estreia de A Verdade Inconveniente em Portugal, passei a ter ideias próprias... Rapidamente verifiquei que muita mais bota não dava com a perdigota!

Ultimamente, parece que se está a fazer luz em alguns ambientalistas conhecidos. É o caso de Monbiot, um habitué do blog, que nalguns dos seus artigos mais recentes, como este, deve pôr os seus seguidores com os cabelos em pé! A sua conversão está, por isso, em movimento...

No caso nacional, Henrique Pereira dos Santos é o meu favorito, com o qual tenho travado umas interessantes argumentações no passado. Ultimamente, está cada vez mais caústico, com os seus dois mais recentes posts a constituirem autênticos tratados heréticos.

Mas é assim que o ambientalismo poderá ir mais longe. Deixando cair ideologias velhas e separando-se essencialmente da política. Resolvendo os verdadeiros problemas do Ambiente, e esquecendo aqueles problemas que foram inventados, apenas por interesses obscuros. Assim, o futuro poderá ser melhor, com estes novos ambientalistas.

quarta-feira, 11 de Maio de 2011

Biomassa 50 vezes mais importante que eólica em 2008

Muitas notícias surgiram por aí a dizer que três quartos, ou mesmo mais, da energia pode ser assegurada a partir das energias renováveis, até 2050. Este jornalismo de bosta não se dá conta do que está a dizer, simplesmente porque o IPCC, que foi quem fez o documento, não quer que se saiba como se pode chegar aí!

No documento original novo link podemos perceber que os valores propagados pelos Media são a melhor previsão de um total de 164 cenários. Mas ainda mais interessante é observar a situação actual, visível na imagem ao lado. Do total de energia primária consumida em 2008, 12.9% foi relativa a energia renovável. Mas quando se desagrega este componente, verifica-se que a energia solar é responsável por 0.1% da energia consumida, a energia eólica 0.2%, e a energia hidráulica uns mais substanciais 2.3%.

Então, e o resto? 10.2% da energia primária total, 50 vezes mais que a eólica, é dada pela biomassa! Porque ainda há muita gente em África (e também em Portugal) a cozinhar a lenha, e porque muitos ainda se aquecem da mesma forma, o IPCC deve, e pensa, que isso será o futuro? Ou será porque isto foi dito porque dois dos quatro autores principais (um de Cuba e outro da Etiópia) sabem desta triste realidade?

Actualização: Há realmente organizações com gorduras a mais. Como o caso do nosso Instituto de Meteorologia, que se saiu hoje com uma referência a esta notícia. Realmente, em vez de andarem preocupados com a meteorologia, andam entretidos com alguma coisa que não lhes diz respeito. Mais um sítio onde se pode cortar na gordura pública!

Mais hipócritas

Já tínhamos aqui falado sobre o hipócrita James Cameron, num vídeo dos realizadores de "Not Evil Just Wrong". Agora, via Espectador interessado, demo-nos conta que Phelim McAleer fez uma curta metragem, o primeiro vídeo abaixo, sobre o hipócrita Príncipe Carlos, um dos tretas-mor do planeta, e que aqui temos repetidamente exposto!

Mas verificando as suas realizações recentes, vemos que McAleer andou a malhar também no hipócrita Robert Redford. No segundo vídeo abaixo, podem ver como ele não gosta nada de uma proposta de ter como vizinhos uma aldeia ecológica. Ao mesmo tempo, anda a promover a sua própria aldeia, no seu Sundance Resort! É assim mesmo McAleer! Malha forte nesta cambada de hipócritas!


terça-feira, 10 de Maio de 2011

Dados estatísticos sobre eólicas do Reino Unido

Um leitor fez-me chegar um apontador para um documento muito interessante sobre a geração de energia eólica, no Reino Unido, entre Novembro de 2008 e Dezembro de 2010. O relatório é mesmo muito completo, sendo recomendável a todos os que seguem a temática. As suas principais conclusões foram as seguintes:
  1. Average output from wind was 27.18% of metered capacity in 2009, 21.14% in 2010, and 24.08% between November 2008 and December 2010 inclusive.
  2. There were 124 separate occasions from November 2008 till December 2010 when total generation from the windfarms metered by National Grid was less than 20MW. (Average capacity over the period was in excess of 1600MW).
  3. The average frequency and duration of a low wind event of 20MW or less between November 2008 and December 2010 was once every 6.38 days for a period of 4.93 hours.
  4. At each of the four highest peak demands of 2010 wind output was low being respectively 4.72%, 5.51%, 2.59% and 2.51% of capacity at peak demand.
  5. The entire pumped storage hydro capacity in the UK can provide up to 2788MW for only 5 hours then it drops to 1060MW, and finally runs out of water after 22 hours.

O documento tem uma análise mais detalhada da forma como a energia eólica se enquadra no consumo de energia eléctrica no Reino Unido. Destaco abaixo, por exemplo, como a evolução do consumo e a produção de energia eólica (a vermelho) estão claramente desfasadas.

segunda-feira, 9 de Maio de 2011

BMW mais económico que o... Prius

Há 3 anos havíamos relatado como um BMW era mais económico que um Toyota Prius. O que para muitos não pode ser verdadeiro, é repetidamente observado em testes comparativos! Desta vez, foi uma revista de automóveis inglesa, a Which? Car, que determinou que o BMW 320Ed é efectivamente mais económico que o Toyota Prius!

Segundo a investigação da revista, o resultado deve-se ao facto da tecnologia "Efficient Dynamics" incorporar um conjunto de mecanismos de poupança de consumo, que efectivamente se resumem num... menor consumo! Enquuanto isso, o Toyota Prius precisa de transportar as suas baterias dum lado para o outro, resultando na maioria das situações num fardo, em vez de uma vantagem...

A poupança anual medida pela revista foi de apenas umas 51 libras. Mas, ainda assim, revela como anda muita gente enganada. É claro que neste caso o BMW é bastante mais caro que o Toyota Prius, mas também é muito mais lindo... Em tantos aspectos!

domingo, 8 de Maio de 2011

Política energética do PSD

A minha alma está parva! Tenho sido bastante crítico de Passos Coelho neste blog. Mas olhando rapidamente para o programa eleitoral do PSD, rapidamente deparei-me com uma verdadeira pedrada no charco:

Os objectivos estratégicos para a área de energia tendem a ser universalmente aceites, semelhantes entre países e constantes ao longo do tempo. Uma política energética integral e completa visa alcançar três grandes desígnios:
  • Segurança no abastecimento energético;
  • Competitividade e crescimento económico;
  • Sustentabilidade ambiental.
O peso relativo de cada um destes factores, esse sim, varia entre países e dentro dos países ao longo do tempo. Por exemplo, os EUA têm recentemente posto bastante ênfase na segurança de abastecimento energético, com um esforço profundo de aumento das fontes internas de energia primária (ex. gás natural), enquanto a Europa tem posto muito do seu esforço na concretização de objectivos ambientais relacionados com as energias renováveis e a redução das emissões com gases com efeito estufa (Ex. Objectivos 20-20-20), e a Ásia se tem concentrado em garantir o acesso a energia da forma a mais económica possível.

Nos últimos anos, a primazia da política energética portuguesa esteve conceptualmente apontada para a sustentabilidade ambiental, descurando significativamente o objectivo de assegurar um modelo energético que promova a competitividade económica e o crescimento económico. Assim, Portugal foi aumentando a capacidade instalada renovável até ao ponto em que 1/3 da capacidade instalada se encontra em Regime Especial, foi mantendo uma intensidade energética das mais elevadas da Europa e foi criando uma tendência de preços crescentes de energia para empresas e famílias, apesar da acumulação de défices tarifários sistemáticos.

Como o programa é muito detalhado, não é possível avaliá-lo rapidamente. Já lá vi referências a acabar ou limitar as tarifas feed-in. A aposta nos nossos recursos! O reforço da nossa competitividade... É uma enorme surpresa, e pela positiva, este programa! Iremos analisá-lo em maior detalhe, para ver se merecerão nomeadamente o meu voto...

O Barão de Abrantes

Via a Quarta República, tomamos conhecimento de como se gere uma empresa de uma forma comuna. A Alexandre Alves, o Barão Vermelho, já nos havíamos referido no passado. Mas é obrigatório voltar a esta notícia, para que os Portugueses percebam a bandalheira a que se chegou!

A notícia do Correio da Manhã refere que o pseudo-empresário, através da RPP Solar, já deve 3.6 milhões de euros à empresa Precore, uma empresa de pré-fabricação de betão do Montijo. Mas para além desta dívida, mais haverá certamente, dado que toda a história associada à RPP Solar assume contornos escandalosos. Já devia ter começado a produção há mais de um ano, e que daqui a uns meses prometia 1800 postos de trabalho. A autarquia, especialmente o ex-presidente Nelson Carvalho, também está embrulhada no meio desta trapalhada toda, mas ainda deve acreditar nisto da Economia Verde... Enquanto esta notícia não tenha uma cobertura Nacional que merece, podem ir lendo os posts dos blogs Cidadãos por Abrantes e Rexistir por Abrantes.

sábado, 7 de Maio de 2011

Cada português deu 5 euros à Semapa em 2010!

Na quarta-feira, quando se teve conhecimento do excelente programa da Troika, a Semapa registou o maior rombo do PSI20, mesmo maior que o da EDP Renováveis. Nas suas Demonstrações Financeiras Consolidadas de 2010, nas páginas 22 e 23 é possível perceber o enquadramento desta empresa, no âmbito da co-geração:
  • Em 2010, o Grupo Portucel atingiu uma produção bruta de energia eléctrica de 1.696 GWh o que corresponde a um aumento de cerca de 48% face ao ano anterior.
  • A energia eléctrica produzida ao nível do Grupo Portucel correspondeu, em 2010, a 3,4% da produção total nacional.
  • A produção de electricidade a partir de centrais a biomassa (três cogerações e duas centrais dedicadas) atingiu 1 099 GWh e representou 52% da estimativa da produção total nacional em 2010 a partir deste recurso renovável, mantendo o Grupo o estatuto de maior produtor nacional de energia eléctrica a partir de biomassa.

Apesar de ser um defensor da biomassa, é preciso estar atento aos exageros, como já referi no passado, aqui e ali. Considerando que o total de produção, em regime de PRE, em 2010, segundo dados da REN, foi de 17924 GWh, os 1696 GWh da Semapa representam então 9.46% dessa produção. Segundo o mesmo documento da REN, o total de produção em regime de cogeração foi de 6122 GWh, pelo que a Semapa detém 27.7% dessa produção.

Segundo o Quadro 0-12 deste documento da ERSE, o sobrecusto associado à cogeração térmica foi de 33.80 € por MWh, o que significa, para os 1696 GWh, um valor aproximado de 57.3 milhões de euros! Ou seja, cada Português (criança, adulto ou velhinho) pagou em média mais de 5 euros a mais na sua factura de energia eléctrica, para se dar à Semapa...

sexta-feira, 6 de Maio de 2011

Rate of sea level rise going down, faster!

Anthony Watts reported today that new satellite data, regarding sea level, was available from the University of Colorado. These have been intriguing weeks, since they normally update much frequently, as Watts reported one month ago. I've been following this data for some years, and my interest is not in absolute terms, but in the rate of rise. As Watts has noticed, they seem to have been correcting data. Guess how they have corrected? UP!

So, let's check it out and have some fun. Just enter the following query into Google:

msl_ib_ns filetype:txt site:sealevel.colorado.edu

The first entry should be the relevant file. If you click on it, you'll get the most recent data. If you click on Google's cache entry (probably available for only some days; keep a copy...), you'll get the older data (#version_2010_rel5). Importing into a worksheet and plotting a linear regression is quite easy. Getting a graph for the evolution of the linear regression values over time is also not that difficult, using the SLOPE() function. The results are the following two graphs:


Notice that the rate of rise has gone up, due to the Colorado correction, but is going down. And it's going down faster! When they last plotted the data, the value for cycle 2010.7415 was 2.956158611, just enough to round it to 3.0, when considering one decimal place, as they do. Now, they have figured out the trick to leave the rate of rise above 3.1, at least for some months...

UPDATE: Following some doubts, the graphs above reflect the trend since satellite data begins, in 1992. For example, the value for 2003 represents the linear regression trend between 1992 and 2003, while the value for 2011 represents the linear regression trend between 1992 and 2011.

quinta-feira, 5 de Maio de 2011

Taxas para os carros eléctricos!

Por vezes, farto-me de rir. Desta vez, daqueles que dizem que os carros eléctricos vão ser um grande sucesso, porque a energia eléctrica é barata... Já havia desmontado uma série desses argumentos. O professor Pinto de Sá também tem vindo a fazer pedagogia nesta área... Mas há muita gente que continua iludida!

Para esses, há agora mais uma facada pelas costas. Para além da energia, vão pagar taxas, pois claro! De acordo com a Portaria n.º 180/2011, de 2 de Maio, para além do pagamento da electricidade, vão-se pagar as seguintes taxas, conforme Artigo 8º da referida portaria (todos os realces da minha responsabilidade):

Tarifas de serviço durante a rede piloto da mobilidade eléctrica
1 — Nos termos do disposto no artigo anterior, até 31 de Dezembro de 2012, as tarifas de serviço máximas para remuneração da actividade de operação de pontos de
carregamento, quanto ao carregamento normal em locais públicos de acesso público, são as seguintes:
a) Tarifa de serviço de carregamento normal para o período fora de vazio: € 0,07/kilowatt-hora;
b) Tarifa de serviço de carregamento normal para o período de vazio: € 0,03/kilowatt-hora.

2 — Quanto ao carregamento em pontos de carregamento rápido, até 31 de Dezembro de 2012, as tarifas de serviço máximas para remuneração da actividade de operação de pontos de carregamento são de € 0,20/kilowatt-hora, independentemente do período horário em que seja efectuado o carregamento.

Com um preço de energia de cerca de 0.1326€ + IVA por KWh, um carregamento rápido custará bem mais em taxas do que em electricidade. Ou seja, lá se vão os argumentos dos iludidos para metade? É claro que a MOBI.E pôs cá fora um comunicado a garantir que, mesmo assim, ainda são custos "50 por cento mais barato do que o abastecimento de um veículo a gasolina"... Mas há mais pérolas! Reparem o que vai acontecer nos vossos prédios urbanos (artigo 3º):

1 — Nos termos e para os efeitos do disposto na alínea b) do n.º 1 do artigo 18.º do Decreto -Lei n.º 39/2010, de 26 de Abril, os comercializadores de electricidade para a mobilidade eléctrica são responsáveis pelo pagamento, aos operadores de pontos de carregamento, da remuneração devida pelos utilizadores de veículos eléctricos como contrapartida pela utilização dos pontos de carregamento de acesso público, bem como pelo montante a auferir pela actividade de manutenção de pontos de carregamento de acesso privativo em locais de estacionamento em prédios urbanos para fins residenciais.

E pensavam que se safavam de mais taxas? Então toca a pagar também o estacionamento, custo que não será desprezível, porque os carros não carregam assim tão rapidamente:

3 — O eventual custo do estacionamento associado à utilização do espaço físico destinado ao carregamento de baterias de veículos eléctricos não é considerado para efeitos de determinação da remuneração do operador de pontos de carregamento, constituindo um encargo do utilizador do veículo eléctrico, ainda que possa ser liquidado através do comercializador de electricidade para a mobilidade eléctrica.

As taxas continuam, quando se esquecer onde deixou o carro, ou se adormecer dentro dele (artigo 9º):

A ocupação de pontos de carregamento sem efectivo carregamento de baterias eléctricas durante tempo de permanência excessivo é sancionada através do pagamento de uma compensação, considerando -se tempo excessivo a permanência no ponto de carregamento por período equivalente a mais de 50 % do tempo despendido para efeitos de carregamento a plena carga de baterias eléctricas ou, em alternativa, consoante a decisão do operador, a utilização do ponto de carregamento por mais de trinta minutos, no caso de pontos de carregamento normal, e por mais de dez minutos, no caso de pontos de carregamento rápido, após a plena carga da bateria eléctrica.

Para os utilizadores residenciais, volta-se à carga no artigo 10º:

Até 31 de Dezembro de 2012, o operador de pontos de carregamento de acesso privativo que se encontrem em locais de estacionamento em prédios urbanos para fins residenciais, em especial em condomínios privados, pode auferir um montante máximo de € 48 por ano para compensar os custos associados à operação e manutenção do equipamento instalado, incluindo actualizações tecnológicas e qualidade de serviço.

Mais à frente, já em anexo, vejam como se extraiu pelo menos uma hora ao período de vazio, quando comparado com os horários da EDP:

a) «Período fora de vazio» o período compreendido entre as 6 e as 24 horas;
b) «Período de vazio» o período compreendido entre as 24 e as 6 horas.

quarta-feira, 4 de Maio de 2011

Bendito FMI!

O Expresso acabou de revelar o programa do FMI. Finalmente, um verdadeiro programa de Governo, que tem a ousadia de atacar alguns dos problemas eternos do nosso País. E também nos domínios da energia, onde ataca uma série de pontos que temos repetidamente exposto aqui no Blog. É provavelmente a maior derrota do nosso verde/rosa Sócrates:

Additional costs associated with electricity production under the ordinary regime
5.6. Take measures in order to limit the additional cost associated with the production of electricity under the ordinary regime, in particular through renegotiation or downward revision of the guaranteed compensation mechanism (CMEC) paid to producers under the ordinary regime and the remaining long-term power-purchase agreements (PPAs). [Q4-2011]

Support schemes for production of energy under the special regime (cogeneration and renewables)
5.7. Review the efficiency of support schemes for co-generation and propose possible options for adjusting downward the feed-in tariff used in co-generation (reduce the implicit subsidy) [Q4-2011]
5.8. Review in a report the efficiency of support schemes for renewables, covering their rationale, their levels, and other relevant design elements.[Q4-2011]
5.9. For existing contracts in renewables, assess in a report the possibility of agreeing a renegotiation of the contracts in view of a lower feed-in tariff. [Q4-2011]
5.10. For new contracts in renewables, revise downward the feed-in tariffs and ensure that the tariffs do not over-compensate producers for their costs and they continue to provide an incentive to reduce costs further, through digressive tariffs. For more mature technologies develop alternative mechanisms (such as feed-in premiums). Reports on action taken will be provided annually in Q3-2011, Q3-2012 and Q3-2013.
5.11. Decisions on future investments in renewables, in particular in less mature technologies,will be based on a rigorous analysis in terms of its costs and consequences for energy prices. International benchmarks should be used for the analysis and an independent evaluation should be carried out. Reports on action taken will be provided annually in Q3-2011, Q3-2012 and Q3-2013.

Actualização: As acções da EDPR seguem a cair 6%. Porque será? Mais cedo, ou mais tarde, a bolha teria que estoirar!
Actualização II: As acções da Semapa, Portucel, Galp, EDP e Altri também entraram em queda livre depois de se saber do plano do FMI... Será que a mama da co-geração ia durar para sempre???

terça-feira, 3 de Maio de 2011

Nem na escola

Via Blasfemias, tomamos conhecimento de uma reportagem explosiva do Biosfera. Já tinha ficado com uma pulga atrás da orelha com as observações absolutamente insolentes do Trocaste, acerca dos absurdos gastos na remodelação de algumas escolas. Mal imaginava o que me esperava...

Na verdade, as Verdades Inconvenientes do Biosfera são mais que muitas:
  • Consumos energéticos aumentaram entre 3 a 10 vezes, para as mesmas escolas!
  • Mais 6000 a 7000 euros por mês de consumos energéticos
  • Aumentos de 10000/11000 euros em água, electricidade e gás, noutro caso
  • A qualidade do ar e o conforto térmico nas salas pode ficar pior do que estava antes das obras de modernização
  • Não se desligam equipamentos aos fins de semana
  • Absurdos dos regulamentos (porque será???)
  • Abuso dos ar condicionados, que funcionam constantemente...
  • Não há ventilação natural (não se devem abrir as janelas!)...
  • Arquitecto referencia que comportamento das escolas da década de 60 obtém níveis de classificação energéticos mais elevados que os actuais!
  • Custo/benefício dos painéis fotovoltaicos é negativo!
  • Desbastes irresponsáveis de árvores com dezenas de anos
  • Outros crimes ambientais
Resultado: Toca a desligar tudo, porque não há dinheiro... E ficar como uma escola pior que a antiga! Como resume Oliveira Fernandes, professor da FEUP, tudo isto "é uma manifestação de saloismo, parolismo, de incompetência, e de irresponsabilidade pública, que não tem classificação!" Por isso, não percam os primeiros 25 minutos do Biosfera.


Actualização I: Via A Educação do meu Umbigo, para os arquitectos que conceberam o Parque Escolar, parece que não faltou dinheiro...

domingo, 1 de Maio de 2011

Maroscas eólicas na Escócia

Já sabemos que a energia eólica é absurdamente subsidiada. Agora, chega-nos a notícia de que para deixarem de produzir energia, lhes chegam a pagar 20 vezes mais, do que aquilo que receberiam para estar a produzir... Aconteceu no Reino Unido, onde se estoiraram 900000 libras para que seis parques eólicos da Escócia fossem desligados. Tal aconteceu nas noites de 5 e 6 de Abril, onde já havia energia a mais, e consumo a menos.

Lá, certamente como cá, a marosca foi descoberta, e não anunciada. A marosca foi divulgada pela Renewable Energy Foundation, uma organização ambiental inglesa, o que não deixa de ser uma enorme curiosidade! Na informação que divulgaram, há referências a pagamentos de 800 libras por MWh (um enorme absurdo), no parque eólico de Farr. Informação mais detalhada está disponível na entidade gestora da rede eléctrica do Reino Unido. Lá, como cá, os contribuintes e consumidores que paguem!