terça-feira, 31 de Agosto de 2010

Aventuras no Árctico


As aventuras no Árctico atingem o pico obviamente por estas alturas do ano. Já aqui relatamos as aventuras do Baltica, que ajudado por três quebra-gelos nucleares, lá conseguiu efectuar a travessia do Oceano Árctico, entre os extremos oeste e leste da Rússia. Tanta sorte não teve o "Clipper Adventurer", que encalhou sexta-feira passada em águas do norte do Canadá. O navio encalhou numa rocha a 3 metros de profundidade, com os passageiros a descreverem uma paragem súbita. Os passageiros a bordo tiveram assim vários dias para meditar nos riscos que se corre quando enfrentamos a Mãe Natureza...

O quebra-gelos Amundsen foi despachado para o local, para socorrer os passageiros, conforme se pode ver na segunda imagem acima. Os passageiros foram transferidos para Kugluktuk, onde parece que quase todo o pessoal tinha ido à pesca...

Estas passagens do Árctico levantam, por isso, muitas questões, para além da forma como estamos a interferir com esse ecossistema. De uma lado, a insuficiente cartografia. Do outro lado, ambientalistas, e outros sôfregos de clamarem as alterações climáticas. Como se os nossos antepassados não tivessem porventura um melhor conhecimento destas geografias redescobertas. No meio disso tudo, também as questões políticas e obviamente as militares...

segunda-feira, 30 de Agosto de 2010

O problema do IPCC

Finalmente, uma avaliação independente, mesmo que encomendada, dá uma visão como deve ser do IPCC. A auditoria foi pedida pelo próprio Rajendra Pachauri, que pediu para que fosse o IAC (Inter-Academy Council) a fazê-la. Julgava ele, e julgavam os cépticos, que o resultado seria o normal processo de esconder as monumentais fraudes científicas que por aí grassam.

Todavia, o relatório é um verdadeiro assombro! Até o lugar de Pachauri é questionado! Os seus conflitos de interesse são explorados. A notícia, que está já a ser divulgada por meios alarmistas como o New York Times, evidencia a necessidade de incorporação de visões alternativas. Por cá, os alarmistas do costume devem estar a engolir em seco, perante as evidências... Mas a procissão ainda vai no adro!

Fechar a auto-estrada, por 3 anos?

Agora que os fogos florestais estão quase a acabar, os abutres já se posicionam. Aliás, como diz o motto do blog, eles interessam-se por coisas menores, como os mexilhões ou uns quantos sobreiros. É claro que ninguém gosta que um dos seus desapareça, mas esta fixação devia ser extensível aos milhares e milhares de árvores que desaparecem todos os anos em Portugal...

Os abutres vieram agora dizer que os incêndios, até 15 de Agosto, representam 1.1 milhões de toneladas de CO2. Os Media, que adoram estes abutres, papaguearam rapidamente a notícia. E para compreendermos a inacção dos ecologistas, medite-se por exemplo na comparação, que eles próprios efectuam, com a deslocação de 29 milhões de carros entre Lisboa e Porto. Segundo os dados da Brisa já de 2010, o TMD (Tráfego Médio Diário) da A1 foi 29317 veículos, pelo que contas aproximadas apontam para emissões de CO2 próximas de 3 anos de auto-estrada Lisboa Porto. Em vez de fecharmos a auto-estrada Lisboa-Porto, também podíamos cortar nos cafés... É que as emissões dos fogos foram tão grandes quanto o consumo de 52380952380 cafés, o que a dividir por 10 milhões de Portugueses, 1 café por dia, significaria que ninguém (bébés incluídos) tomaria café durante mais de 14 anos...

Perante estas aberrações, Francisco Ferreira da Quercus ainda consegue ter a lata de dizer que "não é muito". Pessoalmente, prefiro olhar para quem tenta fazer o cálculo dos custos. O DN admite que "Incêndios já custaram mais de 358 milhões de euros", com uma contabilização interessante. Outros fazem cheque-mate aos políticos, com um "Fazer pior que Sócrates é difícil". Em qualquer caso, a contabilização final será muito maior, porque ninguém conta tudo, como o tempo dos automobilistas que foram obrigados a parar no meio da auto-estrada, porque a indústria dos fogos fez lá aterrar um helicóptero, duas vezes sem necessidade...

90 euros por consumidor

O Jornal de Negócios fez as contas e os valores são os que o Ecotretas vem aqui referindo. Fazendo as contas por família, cada uma desembolsará este ano 90 euros para sustentar o vício das renováveis. A notícia tem destaque de primeira página no Jornal de Negócios de hoje, pelo que é de salutar que o grande público esteja a começar a saber como lhe vão ao bolso... Será assim cada vez mais difícil aos políticos esconder estas políticas desastrosas!

domingo, 29 de Agosto de 2010

Reportagem sobre Aquecimento Global


Saiu mais uma reportagem a desmontar o Aquecimento Global. Tudo no contexto da luta desenfreada que se desenvolve por estes dias e semanas em Washington. O vídeo dá igualmente uma perspectiva histórica do ambientalismo. Nada que já não tenhamos abordado aqui no blog, como é o caso de Paul Ehrlich. Recomenda-se todavia a sua visão integral, até porque não é tão longo assim...

sexta-feira, 27 de Agosto de 2010

O furacão Danielle

O furacão Danielle atingiu a categoria 4 na escala de Saffir-Simpson. Os níveis de actividade ciclónica continuam baixíssimos, em termos históricos, conforme se pode observar neste link. Ao contrário, o nosso Instituto de Meteorologia, tal como no ano passado, está excitadíssimo com um furacão que não nos diz nada aos portugueses. A prova disso é que já mereceu três destaques:

Como se pode ver na imagem acima, retirada do site da NOAA, que o próprio IM referencia, os Açores poderão, no entanto, ser afectados pelos restos desta tempestade. O que realmente pode interessar aos Portugueses, nomeadamente dos Açores, a isso o nosso Instituto de Meteorologia não dá qualquer referência! Está na hora de deixar de subsidiar as pessoas que não se andam a dedicar ao que devem...

Actualização: O IM nem se dá conta do ridículo, e insiste. O terceiro link acima foi aparentemente apagado, mas fica abaixo para a história um printscreen da página arquivada pelo Google (ainda deve funcionar nos próximos dias). Entretanto surgiu mais uma notícia, intitulada "DANIELLE enfraquece e começa a perder caracteristicas tropicais"

Lima congelou Sevilha

É com satisfação que vou lendo alguns artigos nos Media, a gozar com o Aquecimento Global, que os leitores me vão enviando. Pode-se dizer que um jornalista desportivo não é um cientista, mas Eugénio Queirós, no Record, saiu-se com um "Com este raio de cLima até Sevilha congelou". Vejamos o início e final do artigo:

A cruzada de Al Gore sobre o aquecimento global continua a ser sabotada. Rodrigo José Lima dos Santos, vulgo Lima, conseguiu congelar Sevilha numa noite de Verão!
(...)
“Sou um avançado, dependo e necessito de golos”, disse, feliz, em Sevilha, confrontado com uma chuva de microfones quando o termómetro marcava ainda 34.º enquanto Sevilha tremia de frio...

quarta-feira, 25 de Agosto de 2010

Scf Baltica and the Northern Sea Route

Typical interest gathers around this time of the year, regarding the Northern Sea Route and Northwest Passage. From the Northwest passage, we will be hearing about it soon, as conditions are getting better, despite some surprise from the adventurers:

Later the same evening, on receiving the daily ice chart, we came face to face with the sombre reality. For some unforeseeable reason, the ice further north had shifted and blocked Franklin Strait. And in Larson Sound, it had also moved eastward and was now less than fifteen miles off the shore. This will keep us in Gjoa Haven for a little longer but hopefully not too long!

Meanwhile, in the Northern Sea Route, the big news seems to be the fact that Scf Baltica is making it's way through. The article is clear about the difficulties it has encountered:

Russian television has shown the tanker making cautious progress through chunky sheets of ice in the wake of the steel-rimmed ice breakers, as a polar bear loped across ice floes within shouting distance of the ships.

Baltica left Murmansk on August 14th, followed by the nuclear ice breakers "Rossiya", "Taymyr" and "50 years of Victory". Baltica has already arrived at Pevek, in the Chukotka Peninsula, and no more ice will delay its route to China.

Ship tracking sites like http://www.sailwx.info/ give interesting information. One can see that Scf Baltica has gone undercover since July 15th. One can also track Taymyr, Rossiya and 50 years of Victory, all of them in the northern seas. In the image below, obtained from http://www.sailwx.info/shiptrack/shiplocations.phtml, August 25th, 16:00 UTC, only the nuclear ice-breakers are mapped in the Kara, Laptev and East Siberian Sea:


The temperatures given by the ships are also very interesting. All the three icebreakers are experiencing near freezing temperatures, although Rossiya registered 12.7ºC on August 21th, 6AM.

These media stunts have occurred in the past, and created a lot of confusion. But the whole truth is never told or remembered. In mid July, two Russian tankers collided with each-other, carrying diesel-fuel somewhere along the North East Passage. The passage also involves sailing around Novaya Zemlya, a major nuclear testing site in the Cold War. Most important, this route, that has been opened since 1932, is only navigable with mighty nuclear icebreakers during a few weeks of August and September...

Finally, the price tag in completely unknown. How much do three nuclear icebreakers cost? And how about insurance for the ships? Not counting on what Russia hopes to tax this shipping in the future...

terça-feira, 24 de Agosto de 2010

Mais taxas na electricidade

A notícia de hoje do Diário Económico, relativa à subida de um ponto percentual no custo da energia eléctrica, só deverá surpreender os incautos. Os leitores habituais já sabem que a energia terá que subir ainda mais, sobretudo por via do enorme défice tarifário. Este está a ser agravado pelo custo da energia eólica, que conjuntamente com a energia solar, representou um custo acrescido de 367 milhões de euros, na primeira metade de 2010.

É claro que o editorial do DE tenta desculpabilizar o Governo, e culpar Espanha. Mas o problema, lá como cá, é o excesso de eólicas, e a sua fraca produção em muitos momentos ao longo do ano. Na imagem acima podem ver a produção eólica num desses dias, 26 de Junho de 2010, podendo essa informação ser consultada também no site da REN. Nesse dia, entre as 10 e as 11 horas produziu-se 8.8 MWh de energia eólica, o que correspondeu a 0.16% do consumo de electricidade nessa hora. Nesse dia, como em tantos outros, foram aquelas centrais "más", que geram CO2, que permitiram que houvesse electricidade neste país...

O clima de António Mendonça


Ouvi hoje surpreso, na SIC, o Ministro dos Transportes e Obras Públicas, António Mendonça, a responsabilizar o clima, pelo terrível acidente de ontem na A25. Quando se trata de um jornalista, até perdoamos a sua ignorância. Agora um Ministro, confundir tempo com clima? Só faltava dizer que se tratou das alterações climáticas...

É claro que as pessoas, de tanto ouvirem falar em alterações climáticas, já não sabem distinguir o clima da meteorologia. É recorrente. Mas António Mendonça não esteve sozinho. Raquel Leal, directora de comunicação do INEM, também culpou o clima pelas dificuldades nas operações de resposta...

segunda-feira, 23 de Agosto de 2010

Cobarde Cameron

James Cameron é um realizador de cinema muito conhecido. Há uns meses, resolveu disparatar em todas as direcções:

"That's right," Cameron said. "I want to call those deniers out into the street at high noon and shoot it out with those boneheads."
Turning more serious, he added: "Anybody that is a global warming denier at this point in time has got their head so deeply up their a** I'm not sure they could hear me."

Os representantes de Cameron desafiaram há umas semanas Marc Morano, Ann McElhinney e Andrew Breitbart, para um debate na conferência AREDAY, uma conferência sobre a economia verde... Os cépticos não se intimidaram. Cameron queria que esse debate fosse efectuado no final da conferência, e fosse transmitido em directo na Internet. Cameron estava até entusiasmado com a presença dos Media, naquilo que antevia fosse uma goleada...

Morano e companhia aceitaram as condições. Mas Cameron começou a mudar de ideias. Primeiro quiseram mudar a equipa deles; Morano et al. não se importaram. Mudaram o formato do debate. Proibiram as filmagens do lado dos cépticos, e estes acabaram por concordar. Depois, proibiram o vídeo, e mais à frente Cameron baniu a presença dos Media. Depois, até tentou banir a audiência, permitindo apenas a presença dos conferencistas. Não haveria também transmissão na Internet.

Sábado, um dia antes do debate, o cobarde e hipócrita Cameron cancelou o debate. Morano ainda ia a voar para a conferência. Morano ainda fez uma apresentação que era suposto durar 90 minutos, mas os trigloditas alarmistas boicotaram a sua apresentação. O nível desceu ao ponto do relato seguinte:

One participant confused carbon dioxide with carbon monoxide. She suggested I kill himself by driving my car into my garage and then close the doors with the engine running. I twice attempted to explain to the ARDAY conference participant that there was a difference between carbon dioxide -- a harmless trace essential gas we exhale from our mouth-- and toxic carbon monoxide, but to no avail. I sadly shook my head and told the audience: "Wow, what a warm welcome I have gotten here."

Actualização: Notícia em desenvolvimento no Watts Up With That.
Actualização 2: Começam a ser conhecidos os contornos das cambalhotas dos representantes de Cameron.

domingo, 22 de Agosto de 2010

Grandes incêndios florestais

As recentes referências aos fogos florestais ocorridas na Rússia, levou-me a pesquisar os grandes incêndios florestais da História. A lista abaixo não permite uma correlação com o Aquecimento Global, como facilmente se percebe. Aliás, já houve a preocupação dos cientistas afastarem tal relação. Lá, como cá, é a incompetência da gestão florestal que nos continua a levar a lado nenhum... Entretanto, se descobrir novas entradas, a lista será completada:

sexta-feira, 20 de Agosto de 2010

Mais pseudo-ciência de mamutes

Saiu mais uma barbaridade sobre mamutes. Num recente estudo publicado na "Quaternary Science Reviews", com o título "Last glacial vegetation of northern Eurasia", Allen et al., argumentam que foram as alterações climáticas que levaram à extinção dos mamutes. Tudo, claro, baseado em modelos computacionais complexos...

A mensagem subliminar é clara: se aqueles simpáticos herbívoros morreram porque o planeta ficou mais quente, então por exemplo, os ursos polares não terão qualquer hipótese... Nós, por cá, temos jornalistas ávidos destas notícias. Filomena Naves, do Diário de Notícias, lançou imediatamente cá para fora a notícia: "Aquecimento da Terra ditou fim dos mamutes". Mas será que esta jornalista já não se lembra da última notícia com que nos brindou sobre mamutes? Pois é, foi há menos de três meses, e na altura o título foi "Extinção de herbívoros causou arrefecimento" a que nos referimos aqui.

Mas há mais estudos da treta sobre mamutes nas últimas semanas. Doughty et al., em "Biophysical feedbacks between the Pleistocene megafauna extinction and climate: The first human-induced global warming?" argumentam que os mamutes deixaram de comer bétulas, conclusão calculada a partir de um proxy de pólen. Em função disso, as bétulas prosperaram, o albedo aumentou, o calor aumentou e os mamutes morreram...

Resumindo, umas fogueiras dos homens das cavernas devem ter aquecido o Planeta; em função disso, os mamutes começaram a morrer (provavelmente no espeto), deixaram de comer bétulas e depois disso deixou de haver gases na atmosfera, e depois veio o arrefecimento? Não há pachorra para estes cientistas e jornalistas...

quinta-feira, 19 de Agosto de 2010

Ainda o custo das eólicas e da solar

A propósito do post de anteontem, relativo ao custo das renováveis no segundo trimestre, Henrique Sousa, do blog HorAbsurda.org, fez hoje um post equacionando algumas das minhas afirmações. O Ecotretas adora esta troca de argumentações, porque o resultado final é ainda melhor! Aliás, recomendo vivamente este blog e congratulo o seu autor, pela natureza extremamente pedagógica que apresenta!

Em primeiro lugar, há que reconhecer que o título do post de anteontem é erróneo. As renováveis são mais que as eólicas e solar, e inclui nomeadamente as hídricas, que nada tinham a ver com o conteúdo do post. Por isso, o custo referenciado é relativo à produção de energia solar, mas sobretudo eólica.

Henrique Sousa equaciona sobretudo o conceito de custo. O custo que eu mencionei não é o custo de produção para os promotores, mas o custo deste modelo de tarifas feed-in, que são claramente um custo para os consumidores/contribuintes portugueses. A ser pago com juros elevados! Disto ninguém tenha dúvidas.

Da análise do post, e dos comentários de Jorge Pacheco de Oliveira, ressalta também interessante concluir que os números que apresento confirmam as previsões efectuadas para o défice tarifário de 2010, que segundo as contas da ERSE apontam para um valor de 700 milhões de euros.

terça-feira, 17 de Agosto de 2010

Custo das renováveis no segundo trimestre

No primeiro trimestre calculei quanto custavam as energias renováveis aos Portugueses. Numa primeira fase, calculei quanto custou a exportação da energia eólica, que redundou nums impressionantes 50 milhões de euros. Acicatado pelos ecologistas da treta, calculei quanto custaram as eólicas no primeiro trimestre: as contas revelaram então uma factura de cerca de 216 milhões de euros! Por fim, calculei quanto tinha custado a energia solar, para uns mais modestos 8.7 milhões de euros.

Entretanto, meti novamente mãos à obra, para calcular o prejuízo do segundo trimestre. A metodologia utilizada é idêntica à do primeiro trimestre, pelo que os valores são imediatamente comparáveis. A exportação de energia eólica custou cerca de 18 milhões de euros, enquanto que, se não existisse eólica de todo, o país teria poupado cerca de 126 milhões de euros. A produção de energia solar teve um sobrecusto de 15.9 milhões de euros.

Como é fácil de ver, o custo das exportações foi bem menor. Tal resulta de uma muito menor produção de energia eólica, que desceu de cerca de 2872 GWh para 1876 GWh, mas também da subida do preço médio no OMEL, que subiu de 2.511 cêntimos/kWh no primeiro trimestre para 3.473 cêntimos/kWh no segundo trimestre. Em função da muito menor produção de energia eólica, há naturalmente também um valor muito inferior do seu custo directo. Como seria igualmente de esperar, o custo da energia solar subiu muito significativamente, em função do aumento de produção, associado a um aumento da duração da exposição solar.

Resumindo, os contribuintes e consumidores portugueses ficaram mais pobres em cerca de 142 milhões de euros no segundo trimestre, o que somando aos valores do primeiro trimestre, dá um custo de 367 milhões de euros para esta primeira metade de 2010, por conta das eólicas e energia solar... Enquanto isso, os Tios Patinhas da economia verde vão engordando!

Actualização: O conteúdo deste post é equacionado, sobretudo na referência ao termo renováveis, neste post subsequente.

segunda-feira, 16 de Agosto de 2010

Homens e tomates

Os homens com tomates no sítio são cada vez menos neste país. Já conhecemos o Alberto João para chamar as coisas pelos nomes. Há momentos ouvi outro na TSF, Martinho Araújo de seu nome, vereador da Protecção Civil de Arcos de Valdevez. Nesta notícia, já com uns dias, vemos o resumo do problema (todos os realces da minha responsabilidade):

O autarca frisou que o concelho está a arder há cerca de um mês, salientando que, além de Vilar de Suente, estiveram esta quinta-feira em risco as casas dos moradores das aldeias de Paradela, Iísuas e Cunhas, já que as chamas andaram muito perto.
(...)
A zona, uma das mais florestadas e bonitas do Parque Nacional da Peneda-Gerês, fora já atingida em 2006 por uma vaga de incêndios que destruiu centenas de hectares, entre eles uma parte da Mata do Rabiscal, um dos tesouros da estrutura ambiental.

No Jornal de Notícias, ele já havia dado uma perspectiva do que realmente se passa:

As críticas da autarquia de Arcos são feitas a duas vozes. O vereador da Protecção Civil, Martinho Araújo, lamenta que não sejam feitos investimentos no parque e que há um "total desconhecimento por parte dos responsáveis da administração do PNPG do que se passa dentro das suas fronteiras".
O vereador destacou que o desinvestimento levou ao actual estado. "Há quatro anos, após um incêndio, também em Agosto, no Mezio, o parque procedeu à venda das madeiras que renderam centenas de milhares de euros. O resto da madeira ficou lá amontoado, o que originou uma manta morta de vários metros de altura, o que dificulta a actuação dos bombeiros e meios aéreos, até mesmo o acesso aos locais onde está arder, pois os caminhos estão bloqueados. O dinheiro, esse, foi para outros interesses", disse Martinho Araújo ao JN.
O vereador acrescenta que a única preocupação de quem dirige o PNPG é "manter os seus empregos". "O parque é uma instituição nacional que já não tem razão de existir porque deixaram exterminar toda a vegetação e não fizeram nada para a manter ou para que existissem reflorestações".
"Isto é administrado por pessoas de Lisboa que não sabem o que é o PNPG. Querem fazer disto uma reserva de "índios", põem todo tipo de entraves à população que reside no PNPG, e este sem população não é nada", sublinha o autarca, que prevê ainda consequências drásticas, "não há pasto para os animais", frisa.

Finalmente, a transcrição da notícia que ouvi, no noticiário de hoje das 18 horas (aos 09:48):

Tive notícias ali na freguesia de Carral Cova: estão os bombeiros a apagar por um lado e andam ali uns malandros, uns terroristas, a pegar fogo nas costas dos bombeiros. Deve ver em que Estado é que estamos a viver, não é? Foram detectados quatro indivíduos a pegar fogos nas costas dos bombeiros.
(...)
Já foi comunicado que estavam relativamente longe dos bombeiros. Já foi comunicado à GNR, que já se deslocou ao local para tentar apanhar esses vagabundos.

Alguém condecore imediatamente este senhor!

Período Quente Medieval de regresso

A notícia de mais uma machadada, porventura definitiva, no hockey-stick, está há dois dias no Watts Up With That. Os leitores sabem que eu raramente duplico aqui posts do site de referência dos cépticos, mas neste caso temos que abrir uma excepção.

O artigo, a publicar na próxima edição de "The Annals of Applied Statistics", de Blakeley B. McShane e Abraham J. Wyner, chama-se "A Statistical Analysis of Multiple Temperature Proxies: Are Reconstructions of Surgace Temperatures Over the Last 1000 Years Reliable?". Para todos os efeitos, o artigo resulta claro apenas pela leitura do seu abstract (realces da minha responsabilidade):

Predicting historic temperatures based on tree rings, ice cores, and other natural proxies is a difficult endeavor. The relationship between proxies and temperature is weak and the number of proxies is far larger than the number of target data points. Furthermore, the data contain complex spatial and temporal dependence structures which are not easily captured with simple models.
In this paper, we assess the reliability of such reconstructions and their statistical significance against various null models. We find that the proxies do not predict temperature significantly better than random series generated independently of temperature. Furthermore, various model specifications that perform similarly at predicting temperature produce extremely different historical backcasts. Finally, the proxies seem unable to forecast the high levels of and sharp run-up in temperature in the 1990s either in-sample or from contiguous holdout blocks, thus casting doubt on their ability to predict such phenomena if in fact they occurred several hundred years ago.
We propose our own reconstruction of Northern Hemisphere average annual land temperature over the last millenium, assess its reliability, and compare it to those from the climate science literature. Our model provides a similar reconstruction but has much wider standard errors, reflecting the weak signal and large uncertainty encountered in this setting.

domingo, 15 de Agosto de 2010

Agosto em Portugal

Os alarmistas portugueses andam por aí a pavonear-se. Filipe Duarte Santos é o que mais se desdobra por aí, e conjuntamente com Viriato Soromenho Marques, aparecem por exemplo num artigo vergonhoso do Jornal de Notícias. Alguém lhes explique por favor as diferenças entre tempo e clima?

Os alarmistas andam activos em Portugal, e no Mundo inteiro, por causa da Rússia. A razão é fácil de perceber, porque realmente fez calor para os lados da Rússia. Por cá, toda a indústria do Turismo, e os estrangeiros no Algarve, se regozijam. Tirando os fogos, tema ao qual voltaremos, temos todos razão para sorrir. Ao contrário do resto do Mundo, onde uma grande parte tem experimentado um frio significativo, conforme se pode ver na imagem acima (clicar para ampliar), retirada de um site da NASA. Pode-se perguntar porque ninguém fala do frio da Rússia central, onde o gelo do Árctico não tem derretido? Ou então da Europa? Em grande parte da Eurásia, norte de África e Alaska, numa análise do Watts Up With That, há 43% mais pontos abaixo da temperatura normal, que acima...

Resumindo: muita sorte teve quem escolheu Portugal para estas férias do início de Agosto. E esperemos que assim continue na segunda metade!

sábado, 14 de Agosto de 2010

Caluda

As tácticas utilizadas pelos promotores das energias alternativas, e neste caso específico, da energia eólica, dão que pensar. No estado do Oregon, nos Estados Unidos, o silêncio dos moradores está a ser comprado por $5000 cada. Patricia Pilz da Caithness Energy, uma empresa de Nova Iorque, entrega um cheque nesse valor a todos os residentes que aceitarem assinar um documento onde se lê que não se queixarão, no futuro, do ruído excessivo!

Alguns aceitaram alegremente o cheque. Incluindo George Griffith, de 84 anos de idade, que deverá estar mais interessado em apressar-se a aproveitar os cinco mil dólares. Outros recusam, criando um interessante cenário especulativo. Outros já avançaram para acções legais, até porque o estado do Oregon tem leis específicas que limitam o barulho permitido. Um dia, vai-se virar o bico ao prego, por aqueles lados...

sexta-feira, 13 de Agosto de 2010

As promessas falhadas de Patrick Barkham

Os leitores enviam-me histórias deliciosas. Como a de Patrick Barkham, um jornalista do alarmista Guardian, que prometeu no final de 2009, não comprar uma única peça de roupa durante todo o ano de 2010. Não estava motivado pela crise económica que vivemos, mas sim pelo desejo de cortar nas suas emissões de CO2... Para isso contava com o seu extenso guarda-roupa!

Durante seis meses, Patrick conseguiu aguentar a pressão! Ou quase, porque em Março teve que comprar uns boxers em segunda mão, que nem sequer lavou! Mas pouco depois, numa viagem ao País de Gales, deparou com mau tempo, e lá teve que comprar uma gabardine... E lá se foi a promessa!

quinta-feira, 12 de Agosto de 2010

Tretas e mais tretas de incêndios

Os leitores mais habituais já terão estranhado a ausência de mais referências à problemática dos fogos florestais, que estão este ano de volta e em força, na minha opinião sobretudo por via do Inverno muito chuvoso que tivemos. As muitas tretas que se ouvem por aí esquecem que a grande maioria do território não está ainda em situação de seca, como o próprio Instituto de Meteorologia refere (realces da minha responsabilidade):

Em 31 de Julho de 2010 verifica-se o aparecimento de seca meteorológica fraca em alguns locais de Portugal Continental, mantendo-se, no entanto, um índice de “chuva fraca” na maior parte do Continente.

Desta forma, em termos de percentagem do território o ( índice de seca meteorológica PDSI ) apresenta a seguinte distribuição: 2% em chuva moderada, 53% em chuva fraca, 23% em situação normal e 21% em seca fraca e 1% em seca moderada.

Como facilmente se depreende da imagem acima, as plantinhas e o mato têm encontrado ingredientes para crescerem, facto que parece ter escapado à maior parte dos analistas na temática. Nada que fosse muito difícil de prever, dado o Inverno chuvoso que tivemos!

O melhor que os políticos conseguem fazer é comparar este ano com os de 2003 e 2005, em que grandes fogos existiram, mas com condições completamente distintas das de este ano. Rui Pereira, é um actor surdo no meio da tragédia. O ministro da Agricultura, António Serrano, não se lhe ficou atrás, e ontem propôs a "nacionalização" das propriedades mal cuidadas. Como pode um Ministro propôr isto, quando é o Governo que não cumpre, como se pode inferir, entre outras, pelo conteúdo da seguinte notícia (realces da minha responsabilidade):

São 23 os fiscais no Parque Nacional da Peneda-Gerês que agora passam os dias em casa, sem condições de vigiar mais de 280 mil hectares.
A falta de dinheiro tem justificado que a viatura fique parada e, consequentemente, que não haja fiscalização. As saídas eram feitas, ainda há meses, por transportes públicos, algo que já não acontece por falta o dinheiro, como confirmou à TSF o presidente do conselho directivo dos baldios de Vilar da Veiga.
(...)
Para além disso, até para sair de casa, a pé, os fiscais precisam de uma autorização do director do parque. Trata-se de uma prisão domiciliária, comentou à TSF, com ironia, um dos guardas.
(...)
O ano passado, o Ministério do Ambiente aprovou um plano de prevenção que previa uma vigilância feita por 23 pessoas e com meios, que nunca foram usados.
Só esta semana é que foi requisitada uma viatura para Castro Laboreiro, mas porque, em breve, o parque recebe a visita da Comissão Parlamentar da Agricultura.

Outros políticos são mais atinados. Um autarca do PS descreve como são afectas as prioridades nos combates aos incêndios (realces da minha responsabilidade):

"Estou desesperado. Quando vejo os meios a serem canalizados para uma área protegida em que está a arder mato e nós temos casas a arder há dois dias e ninguém nos manda apoio, gera indignação", afirmava o autarca do PS, José Maria Costa.

Destaque para o Henrique Pereira dos Santos, do blog Ambio, que tem feito um trabalho notável a desmascarar as tretas deste negócio do fogo. Temos tido divergências no passado, mas neste aspecto, ultrapassou-me na quantidade de tretas expostas! Finalmente, devemos lamentar as mortes humanas, que este devaneio dos políticos e outros responsáveis provocam...

quarta-feira, 11 de Agosto de 2010

Portugal & The New York Times

Portugal made it to the front page of the New York Times. Strangely, an incorrect vision of what is happening in Portugal was given. In this post, we will alert international readers to incorrect information given in the article. The article starts with something interesting:

Nearly 45 percent of the electricity in Portugal’s grid will come from renewable sources this year, up from 17 percent just five years ago.

The 17 percent figure is given through an Eurostat reference. More recent data from DGEG (Portuguese Institution that tracks energy statistics in Portugal) gives a different view. Considering data from page 6 of the above report, one can see in table "Quadro B.1", that 2005 was cherry-picked because of it's very low value. If 2001 (35.4%) was chosen, or 2003 (37.3%), the results wouldn't be so impressive!

Please remember that the values I've mentioned are real values, and that corrected values may appear, as European Directive 2001/77/CE values are given considering hydro electricity production. Now, these values are compared with 1997 values, when a lot of hydroelectricity was produced in Portugal. In the last 10 years, only 2003 surpassed the 1997 hydro production, so that year was the year with the biggest renewable energy sources production (in percentage: 37.3%). But when considering the directive values, it comes with one of the lowest values, with 33.9%. Getting confused? Take a look at the following graphs (originally shown here), where the graph on the left side represents the corrected version, being the right graph the real graph.



Now, the value for 2010 stands at 48.3% in May. If we dig into the statistics, the hydroelectricity produced in the first five months of 2010 is already bigger than the other years following 2003. And it is approaching the 1997 value. That means that the bigger percentage for this year will have to do essentially with rainfall, which fell in great quantity the past Winter, and little with political strategy.

The New York Times also comments on the fact that Portugal has become a net power exporter. That has in fact occurred, but at a high cost! Portugal has been exporting this energy when the wind is stronger, with it occurring when wind is also strong in Spain. A lot of this exported energy was exported at zero cost, which means Portugal is offering energy to other countries, while consumers/taxpayers are paying almost 93.74 euros per MWh for wind energy feed-in tariffs. According to my calculations, these exports have cost the country 50M euros, only in the first trimester of 2010. Indeed, if no wind energy existed, Portugal would have benefited 216M euros in the same first trimester.

Economic benefits have not been carefully studied, yet. Green jobs are few, and more related to construction. Even EDP Renováveis, a Portuguese company, which owns Horizon Wind Energy, did not consider job creation in Portugal, with it's record Vestas order, to much frustration of the Prime Minister, who couldn't avoid smiling for the NY Times interview. The NW Times is right on the energy costs, and they have had a very big impact on the Portuguese economy, which has been stalling for years...

terça-feira, 10 de Agosto de 2010

Pecados e Absolvição

Continuamos hoje uma série de posts sobre a doutrina do Aquecimento Global, iniciada a semana passada com o conceito de Fé. Hoje falaremos dos pecados e absolvição, nos domínios do Aquecimento Global.

Um pecado consiste numa desobediência, em pensamento ou acto, a um princípio teológico. Um dos principais princípios da Religião Alarmista é o das emissões de carbono, sobretudo o CO2, causarem o Aquecimento Global. E um dos pecados mais graves é contribuir para essas emissões. Tal como o pecado original, relacionado com o sexo, a Nova Religião concebeu o seu pecado principal como algo que a Humanidade não consegue evitar. Afinal, antes do sexo, o carbono é a base da vida, sendo o alimento base das plantas. Mas apelidado de gás poluente e tóxico, estão criadas as condições para todos pecarem...

Esta generalização do acto de pecar é crítica no passo seguinte, que consiste na absolvição, uma declaração de perdão dos pecados confessados, mediante emissão de penitência. No Aquecimento Global, os créditos de carbono, entre outros, cumprem esse papel. Em ambos os casos, o clero é o destinatário habitual destas indulgências, garantindo a sua existência, subsistência e domínio.

segunda-feira, 9 de Agosto de 2010

Que treta de Ludwig Krippahl

Ludwig Krippahl, professor auxiliar na Universidade Nova de Lisboa, mantém o blog Que Treta! Descobri-o há dois meses atrás, e pareceu-me um exercício interessante, para um investigador académico. Mas nos últimos dias, imbuído certamente pelo calor que faz, resolveu aderir à religião do Aquecimento Global. Num post de há uma semana, Ludwig até tinha consciência das suas limitações:

Tal como com a teoria da evolução, também as conclusões científicas acerca do aquecimento global são rejeitadas por uma franja extremista dedicada a atrapalhar quem tenta compreender o impacto que temos sobre o clima. Mas, ao contrário do que se passa com a teoria da evolução, não tenho nem conhecimento nem paciência para lidar com esses.

Ludwig sabe, que Galileu também constituía uma franja extremista. Como bom cientista, em vez de argumentos, começou o seu post de ontem, com um habitual ataque ad-hominem. Ludwig parte depois para uma dissecação de alguns posts recentes. Critica as notícias de frio na América do Sul, mas aceita certamente de bom grado o calor que faz em partes da Rússia. E fala da tendência global, certamente ignorando por completo que depois de uma Pequena Idade de Gelo, o natural é as temperaturas subirem...

De seguida parte para os atóis do Pacífico. O Ludwig deve desconhecer muita coisa da subida do nível dos mares, a começar por onde ele estava há 18000 anos atrás. Ele que gosta de tendências, devia ver era como é que a Natureza respondeu a subidas muito mais vertiginosas que a presente, há uns milhares de anos atrás.

E o deturpar das minhas palavras continua em relação ao post dos sacos plásticos. Ludwig acredita que eu critico os sacos reutilizáveis. Em nenhum momento do post isso é assim: o que eu critico são os ambientalistas, que defendem os sacos reutilizáveis, mas que se esquecem inconvenientemente de os mandar lavar. Talvez porque o resultado final das contas ainda favoreça os sacos plásticos, sobretudo para aqueles que compram sacos de plástico para enfiar o lixo...

A irracionalidade e irresponsabilidade que Ludwig me aponta, é aquela que certamente ele vê no seu espelho. Para Ludwig, tudo o que ele diz e defende são "evidências sólidas e conclusivas. E contra evidências só mesmo falácias." Típica visão do clero renascentista, que não queria saber do método científico...

domingo, 8 de Agosto de 2010

Seis milhões de peixes mortos


Estima-se que seis milhões de peixes e outros animais tenham morrido nos últimos dias nos rios e lagos da Bolívia. De frio. A mortandade, que podem ver no vídeo acima, nunca foi de tão grande magnitude no passado, como os vários relatos do vídeo enfatizam. Recorde-se que esta vaga de frio está associada ao frio que relatamos anteriormente no Peru e Brasil, sendo que esta é necessariamente uma grande catástrofe ecológica. Da qual, os ecologistas fugirão a sete pés!

sábado, 7 de Agosto de 2010

Chuva no Sahel

Uma das grandes tácticas dos alarmistas é encher-nos os olhos de poeira. E quantas mais calamidades, melhor! Por isso, tenho achado estranho que pouco se fale sobre o segundo maior deserto do planeta, nos últimos tempos... Porque será?

Hoje descobri uns gráficos sobre os níveis de precipitação na zona do Sahel, imediatamente a sul do deserto do Sahara e percebi. Como podem ver pelo gráfico ao lado, depois da falta de precipitação que caracterizou grande parte das décadas de 70 e 80, a situação tem melhorado significativamente nos últimos anos, ao ponto dos dois últimos anos terem registado valores muito próximos da média, o que acontece para dois anos consecutivos pela primeira vez em 40 anos!

Actualização: Este post foi editado, por indicação de um leitor atento, para corrigir o post inicial, que referia deserto do Sahara, por Sahel.

sexta-feira, 6 de Agosto de 2010

A Fé do Aquecimento Global

No seguimento do post da última quarta-feira, sobre Espiritismo e Ecologia, começo aqui uma série de posts sobre a doutrina do Aquecimento Global. Embora não sendo um especialista sobre Religiões, farei uma aproximação às evidencias de proximidade entre os dois conceitos.

Um conceito central nas religiões é o da . A Fé é um conceito bem expresso pelas palavras de Francisco Ferreira, na entrevista com o saudoso Rui Moura, em que o primeiro debita um "Tomara eu acreditar no que diz", que mereceu de Rui Moura pronta resposta: "A Ciência não é de acreditar e não é, digamos, uma Religião. Na Religião é que há quem acredite e quem não acredite. Isto aqui tem que se provar!"

Os alarmistas gostam de utilizar o nome da ciência, mas não gostam do seu método. Proclamam o Aquecimento Global, assim como proclamaram o Arrefecimento Global há umas décadas atrás. Para eles não há lugar ao cepticismo; para os restantes, há que acreditar no Aquecimento Global, e ponto final. Mesmo para o clero, o que interessa é existir uma forte convicção de que algo seja verdade, como o demonstra, por exemplo, a activista do Greenpeace nesta célebre reportagem.

quinta-feira, 5 de Agosto de 2010

Frio e Neve no Brasil

O Brasil tem sido assolado por uma meteorologia que faz qualquer brasileiro esquecer completamente o Aquecimento Global. Já o tinha previsto há uns dias atrás, mas cá em Portugal, nenhuma referência encontrei até agora sobre o assunto! O blog da Ciência Alternativa, está fazendo uma cobertura muito interessante da evolução do frio, e o autor enviou-me um link para um conjunto de fotos muitos interessantes. Entretanto, deixo aqui uma lista de notícias, com títulos reveladores do que se está a passar:

Neva em 15 cidades do Sul do Brasil
Baixa temperatura é histórica no RS
Nevada no Rio Grande do Sul e Santa Catarina é a mais forte da década, diz meteorologia
Neve continua a cair no Rio Grande do Sul até quinta
Pelo menos quatro municípios gaúchos registram a tarde mais fria dos últimos anos

quarta-feira, 4 de Agosto de 2010

Espiritismo e Ecologia


André Trigueiro é um dos jornalistas ecochatos mais conhecidos do Brasil. Apresenta o programa "Cidades e Soluções", dos quais o vídeo acima é um exemplo de ecochatice, conforme os leitores habituais deste blog podem constatar, neste caso sobre a falácia dos empregos verdes.

Este post visa todavia destacar um dos contributos essenciais de Trigueiro, o seu livro "Espiritismo e Ecologia". Os leitores habituais já estão conscientes da nova religião que o Aquecimento Global representa, bem como dos seus profetas. Mas Trigueiro vai mais longe, identificando os muitos pontos em comum que existem entre o Espiritismo e a Ecologia. Fica uma lista com os capítulos do livro do líder desta seita:
  • O Espiritismo em frases de efeito
  • Sinais de alerta
  • Espiritismo e Ecologia
  • No fervilhar do século XIX
  • Kardec e Haeckel
  • A ciência espírita
  • A ciência ecológica
  • Construindo pontes de afinidade
  • O planeta está dentro de nós
  • Em busca da sustentabilidade
  • Senso de urgência
  • Lei de Destruição
  • Poluição e Psicosfera
  • Consumo consciente
  • Mídia, Criança e futuro
  • O consumo segundo o Espiritismo
  • Sustentabilidade como valor espiritual
  • Um planeta vivo?
  • Uma nova chance para o amor universal
  • Enquanto isso, nos centros espíritas
  • Um pequeno dicionário ambiental

terça-feira, 3 de Agosto de 2010

Atóis a crescerem

A notícia de que os atóis do Pacífico, em vez de se estarem a afundar, estão a ganhar terreno, está-se a espalhar lentamente, pois é uma notícia muito inconveniente! Ao invés, a invasão de notícias acerca dos perigos do seu afundamento deverá estar na moda esta semana, dado que está a ocorrer uma série de reuniões naquela zona do Globo. A primeira ocorreu em Port Vila, capital de Vanuatu, e envolveu o grupo do SIS (Smaller Island States). Amanhã realiza-se o 41º Fórum das Ilhas do Pacífico (PIF), e a intoxicação dos Media deverá ser grande...

O tema do crescimento dos atóis já tinha passado há dois meses no Watts Up With That. Como escrevi então nos comentários do blog de Anthony Watts, nada de novo para o Ecotretas, que já tinha constatado o mesmo no final do ano passado!

O paper "The Dynamic Response of Reef Islands to Sea Level Rise: Evidence from Multi-Decadal Analysis of Island Change in the Central Pacific" de Arthur P. Webb e Paul S. Kench, utilizou uma técnica bastante simples: comparou fotografias dos atóis da Segunda Guerra Mundial, com fotografias da actualidade. Os resultados são avassaladores, com 43% dos atóis a registarem um aumento de área, enquanto outros 43% permaneceram estáveis. Nalguns casos, verificaram-se aumentos de 5.6 hectares por década, o que tendo em conta a dimensão dos atóis é particularmente notável! Apenas 14% dos atóis registaram uma diminuição de área. Das próximas vezes que ouvirem os palhaços lá do sítio a queixarem-se, lembrem-se como eles são mentirosos!

segunda-feira, 2 de Agosto de 2010

Mini vacas

O estimado leitor Gabriel Mota, do Brasil, envia-nos mais uma exemplar notícia da treta. Segundo o jornal O Globo, as minivacas podem ser a nova arma contra o aquecimento global. A notícia é esclarecedora quanto às razões:

As vaquinhas costumam não ultrapassar um metro de altura, e a maioria tem cerca de 92 centímetros. O criador Richard Grandwohl, um dos precursores do movimento nos EUA, afirma que quando começou a criar as minivacas foi tachado de louco. Hoje, no entanto, é ele quem ri por último. Grandwohl explica que é possível criar 10 minivacas em um espaço onde só caberiam duas normais.

- Isto significa que o mesmo espaço de terra produziria até três vezes mais carne. Dez minivacas produzem a mesma quantidade de gás metano que uma vaca do tamanho normal. Ou seja, o impacto no meio ambiente acaba sendo menor.

A ideia faz-me lembrar a de ideias ainda mais malucas, como a ideia de reduzir a altura da raça humana... Uma pesquisa pela literatura peer-reviewed não revelou, todavia, qualquer validação desta argumentação, que me parece falaciosa. Mas não estou em condições de fazer contas! Espero apenas que o meu bife não diminua de tamanho no prato!!! Desde que isso aconteça, até podem criar mini-mini vacas...

domingo, 1 de Agosto de 2010

Centenas de crianças morrem de frio no Peru

Enquanto os Media nacionais papagueiam freneticamente as centenas de mortes por afogamento na Rússia, a maior parte devido ao estado de embriaguez ou por ir a banhos em locais perigosos e proibidos, bem como as dezenas de mortos devido aos fogos, ou até as centenas de mortos devido às chuvas torrenciais no Paquistão, nada se ouviu sobre as mortes devidas ao frio no Hemisfério Sul.

O Peru declarou o estado de emergência, depois da morte de centenas de crianças devido a temperaturas muito abaixo dos registos habituais. Em 16 das 25 regiões do Peru, as temperaturas desceram abaixo de -24ºC. As comunidades remotas foram as mais afectadas, e apesar de já estarem habituadas a temperaturas negativas, não tiveram como suportar temperaturas tão baixas. Para além das mortes, a quantidade de enfermidades relacionadas com o frio é muito elevada, e mesmo os animais têm morrido em grandes quantidades. Provavelmente, com a chegada do frio ao Brasil, os Media alarmistas nacionais acordarão para o problema...